Ensinar não é transferir conhecimento,

mas criar as possibilidades para

a sua própria produção ou a sua construção.

Paulo Freire

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

O BRINCAR NO PROCESSO EDUCATIVO


Entende-se que a função do brincar no processo educativo é fundamental para o desenvolvimento global da criança, pois a conduz ludicamente, para suas descobertas cognitivas, afetivas, de relação interpessoal, de inserção social. A brincadeira leva a criança ao conhecimento da língua oral, escrita, e da matemática.

De acordo com o autor VIGOTSKY (1998), a arte de brincar pode ajudar a criança a desenvolver-se, a comunicar-se com os que a cercam e consigo mesmo. Através do brincar a criança tem a capacidade de criar, imaginar, cooperar, de ter auto estima e com isso confiar em si mesma, sendo capaz de desenvolver-se como uma pessoa dita normal.

Para Piaget (1973), os jogos e as atividades lúdicas tornaram-se significativas à medida que a criança se desenvolve, com a livre manipulação de materiais variados, ela passa a reconstituir, reinventar as coisas, o que já exige uma adaptação mais completa. Essa adaptação só é possível, a partir do momento em que em que ela própria evolui internamente, transformando essas atividades lúdicas, que é o concreto da vida dela, em linguagem escrita que é o abstrato.

Segundo Ferreiro (1999), pesquisadora que realizou diversos estudos sobre a concepção da criança a respeito da aprendizagem da leitura escrita, afirma que “a alfabetização não é um estado ao qual se chega, mas um processo cujo início é na maioria dos casos anterior a escola e que não termina ao finalizar a escola primária”.

Muitos pais e educadores preocupam-se demasiadamente com o momento da alfabetização, então nada mais certo do que tornar este momento prazeroso para todos, auxiliando a criança na alfabetização através de jogos e brincadeiras. Já que desta maneira o que se aprende torna-se mais significativo. A brincadeira o jogo, aproxima a criança ao mundo letrado. Devemos tanto na escola, como em casa, participarmos deste processo, com brincadeiras e jogos que envolverão a criança e sem que ela perceba estará a ajudando no processo de alfabetização.

* Professora Kélvia Bonatti. Psicopedagoga e Professora Tutora da Uniasselvi - Polo Fameg.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário